Skip to main content
Idioma do Curso: Português

Porque as Mulheres foram silenciadas na Igreja Primitiva

Data de Início: 8 de junho

A participação no curso dá-se após o cumprimento de duas etapas:

  • 1) Pague a taxa de 30 Euros no link.
  • 2) Faça a sua matrícula clicando no botão vermelho “matricular”.

Atenção: Use o mesmo e-mail nas duas etapas da inscrição (pagamento e matrícula).

A Inscrição cede-lhe o direito a assistir às aulas ao vivo ou gravadas e ao certificado pela Universidade Lusófona, mediante aprovação nas avaliações.


Sobre o Curso

O Novo Testamento aponta para uma igreja nascente com forte atuação feminina. Priscila, Febe, Lídia, Evódia, Sintique, Trifena e Trifosa são apenas alguns dos muitos nomes citados nos textos de Atos dos Apóstolos e nas cartas paulinas. Por que então as mulheres foram silenciadas a partir do segundo século? Quem foram os principais defensores deste silenciamento? Quais eram as mulheres conhecidas e respeitadas no segundo século como profetisas e mestres? Por que seus nomes e suas histórias foram apagados dos livros de história da igreja? Neste curso vamos resgatar a memória de mulheres cuja teologia foi vista como uma ameaça a autoridade masculina da igreja. Chamadas de hereges, prostitutas e endemoniadas, elas tiveram seus escritos destruídos e seus ensinos combatidos. Silenciadas à força, sua história foi registada apenas pelos seus opositores, mas seu estudo é essencial para se compreender o processo histórico de silenciamento das mulheres na igreja cristã até os dias de hoje.


A quem se destina?

Todos são bem-vindos no curso: curiosos, estudiosos em geral e interessados na história do cristianismo, estudantes e professores/as de ciência das religiões e teologia, líderes religiosos em geral, pastores/as e leigos/as, envolvidos com o campo religioso/eclesial, agentes de pastoral, educadores e líderes comunitários.


Há pré-requisitos?

Não há pré-requisitos para realizar o curso, apenas a vontade de aprender e abertura para o diálogo com os demais participantes.


Quando começa?

O curso inicia no dia 8 de junho de 2024. Tem a duração de 4 sábados, encerrando no dia 29 de junho.


Como ocorrem as aulas?

As aulas acontecerão ao vivo, aos sábados, às 14h (Brasil) / 18h (Portugal) através da plataforma Zoom.
Cada aula terá a duração de 1 hora de exposição, seguida de 30 minutos para perguntas e debates.
As aulas serão gravadas e disponibilizadas na página do curso para acesso dos alunos.


Como é feita a avaliação?

A avaliação está organizada em duas etapas:

  • Realização dos exercícios a cada aula (4)
  • Realização de um breve relatório de aprendizagem ao final do módulo, de 1 a 3 páginas

A nota final do curso terá a seguinte ponderação:

Exercícios – 40%
Relatório Final – 60%

O curso termina no dia 29 de junho de 2024.

O relatório final deve ser entregue em pdf ou doc até o dia 13 de julho de 2024.

Programa

Aula 1: Liderança Feminina na Igreja Primitiva.
Resumo: O papel das mulheres como Profetisas na igreja cristã nascente, as controvérsias sobre a atuação feminina na igreja do século I.

Aula 2: A Nova Profecia – Prisca, Maximilla e Quintilla
Resumo: O movimento da Nova Profecia na Frígia, a teologia de Prisca, Maximilla e Quintilla e seus opositores.

Aula 3: A Profecia Gnóstica – Helena, Filomena, Marcellina e outras.
Resumo: Profetisas e Mestras em Roma e Cartago, sua teologia e seus opositores.

Aula 4: O Declínio da Profecia e o Silenciamento das Mulheres.
Resumo: Reflexos da oposição à profecia feminina no século II nos anos posteriores da Igreja Primitiva.

Docente

Lidice Meyer Pinto Ribeiro
Lidice Meyer Pinto Ribeiro é Pós-Doutora em Antropologia e História pela Universidade de São Paulo, Brasil e Pós-Doutoranda em Estudos de Globalização pela Universidade Aberta de Portugal. Doutorou-se em Antropologia pela Universidade de São Paulo e é Mestre em Etnobotânica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional, Brasil. É professora no Mestrado em Ciência das Religiões da Universidade Lusófona de Portugal e no Moriah College , Investigadora no Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias (CLEPUL) da Universidade de Lisboa e Investigadora da Cátedra de Estudos Globais da Universidade Aberta de Lisboa (CIPSH). É também membro do Instituto de Cristianismo Contemporâneo (ICC), da Sociedade Portuguesa de História do Protestantismo (SPHP), Avaliadora do Deutscher Akademischer Austauschdienst (DAAD) e de diversas revistas acadêmicas internacionais.

Atuou por mais de 20 anos junto da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil, na coordenação da Pós-Graduação em Teologia, Filosofia e Pedagogia, e como professora do Programa de Mestrado em Ciências da Religião, na graduação em Teologia e outros cursos. Comentarista e consultora sobre assuntos de religião e antropologia em mídias sociais, TV, rádio, jornais e revistas. No Brasil, participou como entrevistada ou consultora em diversos especiais das Redes de Televisão Bandeirantes, Record, Globo, SBT, Cultura e Brasil.

Tem-se dedicado nos últimos anos à Antropologia Bíblica, com especial ênfase no estudo da mulher na Bíblia e no Cristianismo, ministrando diversos cursos sobre este tema. Possui livros e artigos publicados nas áreas de Religiões, História, Antropologia e Etnobotânica. Realizou pesquisas em Roma (Arquivo Secreto do Vaticano, Archivio Storico di Propaganda Fide, e Universidade Gregoriana), Alemanha, França, Espanha, Portugal, Estados Unidos e Brasil.

Website: www.lidicemeyer.pro

Bibliografia

CLARK, Elizabeth A. Women in the Early Church (Volume 13) (Fathers of the Church). Liturgical Press, 1983. 
COHICK, Lynn H. ; Amy Brown Hughes. Christian Women in the Patristic World: Their Influence, Authority, and Legacy in the Second through Fifth Centuries. Baker Academic, 2017.
COHICK, Lynn H. Women in the World of the Earliest Christians: Illuminating Ancient Ways of Life. Baker Academic, 2009.
KING, Karen L. Images of the Feminine in Gnosticism (Studies in Antiquity and Christianity). Fortress Press, 1990.
JENSEN, Anne. God’s self-confident daughters – early Christianity and the liberation of Women. Louisville, Kentucky: Westminster John Knox Press, 1996.
KROEGER, Richard Clark ; Catherine Clark Kroeger. I Suffer Not a Woman: Rethinking I Timothy 2:11-15 in Light of Ancient Evidence. Baker Book House, 1998.
LITWA, M David. Carpocrates, Marcellina, and Epiphanes: Three Early Christian Teachers of Alexandria and Rome. Routledge Studies in the Early Christian World, 2022.
MACY, Gary; William Ditewig; Phyllis Zagano. Mulheres Diáconos – passado, presente, futuro. Prior Velho: Paulinas, 2019.
OSIEK, Carolyn. A Woman’s Place: House Churches In Earliest Christianity. Fortress Press, 2005.
SILVA, Roberta Alexandrina da. A Participação Feminina no Cristianismo Antigo e a Influência de Paulo no Gnosticismo in SILVA, Roberta Alexandrina da. Mulheres no Cristianismo Primitivo: poderosas e inspiradoras. São Paulo: Fonte Editorial, 2022. p. 331-391.
TORJESEN, Karen J. When Women Were Priests: Women’s Leadership in the Early Church and the Scandal of Their Subordination in the Rise of Christianity. Harper San Francisco, 1995.
VOLO, James M. The Women Who Knew Jesus:: Female Role Models in Early Christianity.  , 2013
WITHERINGTON III, Ben. Women and the Genesis of Christianity. Cambridge University Press, 1990.
WITHERINGTON III, Ben. Women in the Earliest Churches. Society for New Testament Studies Monograph Series, Series Number 59, Cambridge University Press, 1991.